“MODELO BRASILEIRO DE TERCEIRIZAÇÃO É EXEMPLO DE SUPEREXPLORAÇÃO, FLEXIBILIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO.

setembro 16, 2014 No Comments »
“MODELO BRASILEIRO DE TERCEIRIZAÇÃO É EXEMPLO DE  SUPEREXPLORAÇÃO, FLEXIBILIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO.

“MODELO BRASILEIRO DE TERCEIRIZAÇÃO É EXEMPLO DE  SUPEREXPLORAÇÃO, FLEXIBILIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO.

     A mesa sobre terceirização contou com palestras de José Silvestre Prado de Oliveira, Coordenador de relações sindicais do DIEESE e Douglas Martins de Souza, consultor jurídico e membro do Conselho Nacional do SESI.

     TRAGÉDIA – José Silvestre destacou o modelo brasileiro de terceirização, onde ela é sinônimo de superexploração de trabalho, flexibilidade e precariedade. Hoje 60% dos trabalhadores da construção em empresas com mais de 100 funcionários são terceirizados, informou. E elencou como um dos grandes desafios garantir o direito destes trabalhadores nos acordo e convenções, além de derrotar o PL4330 que quer terceirizar a atividade-fim.

     O ramo da construção tem uma das mais altas taxas de rotatividade no mercado de trabalho formal brasileiro. Em 2012, a taxa de rotatividade global foi de 114%, o que significa que parcela significativa teve dois ou mais contratos rompidos durante o ano. A facilidade de contratar e demitir depende apenas da vontade do empregador, aliada ao baixo custo desse processo, uma vez que não há nenhum mecanismo legal que iniba a demissão imotivada, principal causa de rompimento de contrato no mercado de trabalho brasileiro.

     CONSULTORIA – Douglas Martins falou da importância da intervenção assistencial em processos de controle de constitucionalidade por parte de entidades que tenham representatividade adequada para se manifestar nos autos sobre questão de direito pertinente à controvérsia constitucional. Ele também chamou a atenção para a necessidade urgente de se mudar a conduta das empresas e não só indenizar os trabalhadores pelo dano causado, porque isso não traz mais segurança.

     Diante da necessidade de mais informações, a Conticom solicitou ao Dieese que faça um livro bastante objetivo com dados sobre terceirização.

CONTICOM/CUT